Num piscar de olhos

Acabo de sair do quarto dos meninos. Os dois dormem faz tempo, entretanto o Vivi está novamente sob o ataque daquela crise de tosse que volta e meia o assombra.

Fui lá passar Vicky nas plantas dos seus pés e calçar-lhe meias, e qual não foi meu espanto ao notar suas canelinhas magrelinhas cobertas em pelos. Meu Deus, meu pequeno, que noutro dia mesmo era um bebê, já está crescendo pelos nas pernas! Não são pelos adultos, mas até um mês atrás, tudo o que ele tinha era uma penugem quase imperceptível e há um ano, nem isso tinha.

A sensação que tenho é que essas crianças crescem num piscar de olhos, só que mesmo assim, ainda tenho vontade de pega-los  no colo, quando estão doentes (ou mesmo quando não estão) e leva-los pra minha cama. Fico pensando, será que isso passa? Será que essa vontade de proteger, de colocá-los sob as penas da minha asa, será que passa? Ou será assim para sempre?

Será que se for assim para sempre, eu conseguirei dosar pra não sufoca-los? Amo tanto essas coisinhas, que morro de medo que eles cresçam, casem e se mudem pra bem longe. Morro de medo de um dia estar a milhas e milhas de distância e não poder passar Vicky nas plantas de seus pés, de não poder acudir, colocar sob a proteção da minha asa.

Às vezes tenho medo, muito medo de piscar os olhos.

 

Em tempo: Marido viajou hoje e estará fora por alguns dias. Mal saiu e já estou sentindo um vazio enorme na casa, no peito. Calculo como me sentirei o dia que os meninos saírem do ninho.

 

o terceiro final de semana – Barcelona 2015

O tempo está voando! Já estamos em nosso terceiro fim de semana em Barcelona. Lá se foram 3 semanas, desde que aqui chegamos. Há momentos em que parece que foi ontem, noutros, parece que moro aqui desde sempre.

De certa forma, entramos na rotina, trabalho durante o dia, enquanto os moleques estão no colégio, parquinho à tardinha, depois banho, jantar e repete tudo outra vez no dia seguinte. Nem tenho, como da outra vez, saído pra almoçar com o marido a sós, durante a semana. Mas por quê?

Ah, gente é a exaustão proveniente dessa maldita autoimune que insiste em querer me controlar e é automaticamente ativada pelo estresse, ansiedade… e está intimamente conectada ao emocional – para meu azar.

Ano passado nesta mesma época, eu, que havia acabado de fazer uma transfusão de ferro, estava alegre e saltitante, cheia de energia. Um ano depois, aqui estou eu, me arrastando, forçando uma barra pra curtir esta cidade que eu tanto adoro, curtir o tempo que está maravilhoso, curtir a vida… mas tá difícil.

Não gosto de reclamar, até porque, convenhamos, né? Tenho tantos motivos pra me alegrar, que nem seria justo, entretanto, contudo, todavia, meu nível de cansaço está absurdo, a energia tá na reserva, a boca, árida como o sertão, os olhos coçam, a pele ressecada, os cabelos (melhor nem comentar, rs) e a cabeça explodindo. Pra ficar ainda mais gostoso, minhas alergias, que não sinto há séculos, resolveram dar as caras, por causa do pólen, acho eu. Ou seja, estou com aquele velho problema de junta: junta tudo e joga fora, hahaha –  só não perdi o bom humor 😛

Vim pra cá com a esperança de ter a mesma experiência do ano passado, a mesma sensação, a mesma disposição, mas esqueci de combinar com meu corpo, com minha saúde e principalmente com o meu emocional. Aí, deu no que deu, né?

Na verdade, desde o ocorrido no aeroporto, já sabia que sofreria as consequências, porque todo aquele estresse, certamente deixaria marcas e, não só deixou, como estão aqui latejando.

Mas eu gosto de fingir que tá tudo bem, que não tenho limitações, que não preciso pegar leve. Gosto de fingir que sou a mesma Erica de 2 anos atrás, que nada mudou. O problema é que todo esse fingimento tem um preço, que eu acabo pagando, moeda por moeda.

Mas por que resolvi escrever sobre isso? Pra desabafar. E também pra reler e ver se aceito, de uma vez por todas, que preciso mudar, preciso pegar leve, preciso cuidar da minha saúde física e emocional, preciso meditar, preciso voltar pra yoga, preciso me alimentar melhor. Preciso, preciso… preciso parar de me enganar e aceitar os fatos.

E sabem qual foi minha “wake up call”? Nosso passeio do fim de semana.

Levamos os meninos pra passar o dia em PortAventura, um parque temático, que fica uma hora daqui, o mesmo que fomos no ano passado.

Desta vez, em vez de passarmos dois dias, resolvemos abreviar o (nosso) sofrimento, até porque , dada a minha completa falta de energia, eu jamais conseguiria passar dois dias consecutivos andando o dia inteiro num parque temático, indo à montanha russa, mofando nas filas com o sol ardendo na cabeça.

Infelizmente, um dia apenas foi suficiente para drenar o restinho de energia que me habitava. Às 3 da tarde já estava bocejando, exausta. E sabe que horas fomos embora? Às 8 da noite, quando o parque fechou. Eu com dor de cabeça, enjoada, morrendo de sono.

Resultado: hoje, o domingão ensolarado que sucedeu o dia no parque, em vez de irmos à praia, ficamos em casa, praticamente o dia inteiro, por conta da minha falta de disposição.

Mas… eu já falei que vivo tentando fingir que está tudo bem? Então, saímos para almoçar (a pé, claro – pegar trem pra que, se eu tenho energia de sobra? rsrs) e resolvemos dar uma voltinha pela cidade – coisa pouca, só uns 7 Km – para aproveitar o dia lindo de sol. Foi bem gostoso, como bem observou o Vivi, esta cidade é muito interessante, rs, mas o preço foi alto. Estou aqui agora entregue às baratas, pensando como será o dia de amanhã. Com que disposição levantarei de manhã…

Será que eu aprendi a lição?

Em breve saberemos.

Volto daqui a pouco, depois que dar banho no meu porquinho menor,  pra contar um pouquinho sobre o dia em PortAventura – prometo que não será um post reclamão e que terá até algumas fotos (até pra tirar fotos eu tô devagar, dá pra acreditar??).

 

 

 

Recordações

 

Esta semana, aparecemos no Brasileiros Mundo Afora mostrando uns shots das nossas primeiras viagens em família: primeiro quando éramos 3 e depois em 4.

A pergunta é: será que ainda teremos uma terceira “primeira” viagem em família? Sim, porque eu continuo com a ideia fixa de ter o terceirinho – o Thomas, lembram? 🙂

Enfim, o tempo dirá… e se eu não tiver mais um filho nos próximos 3 anos, vou adotar um gato. Pronto, falei! rs

Quem quiser conferir as fotos que são pura nostalgia, é só clicar AQUI 😉

Blogagem Coletiva do MI – Diferenças culturais na criação dos filhos

Nossa, faz um milênio que não participo da Blogagem Coletivas do Mães Internacionais. Também pudera, ando mais enrolada que linha em carretel…

Mas hoje tô de volta à ativa e o tema é quente =)

Poderia começar listando uma série de diferenças (boas e ruins), mas o post iria ficar muito longo, porque obviamente eu iria querer falar um pouquinho de cada item da lista. Entaaaaaaaão, resolvi escolher um item(zinho) só que já dá panos pras mangas.

Aqui em casa somos papai e mamãe brasileiros, ou seja, não há conflitos culturais entre os pais. Entretanto, morar fora significa muitas vezes ter que se adaptar à realidade local, aos costumes, e nesse caso, a forma de criar as crianças. É sobre isso que vou falar hoje.

E o assunto de hoje no The Jump é…

Criando os filhos sem babá

Antes que apareça alguém atirando pedras,  vou logo dizendo: está é a minha visão, a visão de uma “mãe internacional” brasileira, que por viver fora, leva uma vida muito, mas muito diferente da que se leva no Brasil (claro, existem sempre as excessões – eu mesmo conheço algumas tanto lá quanto cá).

Quando você escolhe morar fora do Brasil,  sabe (ou descobre rapidinho) que faxineira duas vezes por semana é coisa do passado e que se você tem uma ajudinha a cada 15 dias, levante as mãos pros céus e agradeça de joelhos. Ah, e se você acha que vai pagar a merreca que se paga no Brasil, haha, esquece, porque a hora (sim, é por hora!) aqui é bem salgada (e merecida, diga-se de passagem, porque ô trabalhinho pouco reconhecido!). E babá então? Ah, essa é uma gargalhada à parte. Dá pra ter assim eventualmente pra ir ao cinema ou jantar fora com o marido, mas contar com babá no dia-a-dia é absolutamente inviável.  Babá folguista então, nossa, é pra fazer o povo aqui rolar de rir.

Creche já é um serviço caro suficiente e o normal aqui é levar as crianças duas ou três vezes na semana por 3 ou 4 horinhas numa dessas creches subsidiadas pelo governo, que são muuuuuuuito mais em conta. Creche full time é tão caro que muitas vezes não vale a pena trabalhar fora e por isso muitas mães “preferem” tirar uma licença maternidade prolongada (e obviamente não remunerada). No nosso caso, como eu me dei o tal maternity leave prolongado, optamos por colocar os meninos numa creche privada 3 vezes na semana, full time, pra garantir a sanidade mental da mamãe aqui e também e principalente, pra que eles interajam com outras crianças e comecem desde cedo a aprender a conviver em sociedade, sabendo que não são o centro do universo.

Mas de um modo geral, as crianças passam sim, mais tempo com os pais, já que mesmo os que vão pra creche durante o dia, tem sempre os pais a noite pra dar o jantar, dar banho, contar a estorinha, colocar pra dormir… sem falar nos fins de semana, que quando muito contam com os tios postiços e os amigos da rua – mas papai e mamãe estão SEMPRE presentes.

Qual é o resultado? Papai e mamãe interagem muito mais com os filhos, claro.

Sinceramente não consigo me imaginar dependente de babá. Mas eu sei, eu sei que se eu morasse no Brasil, estaria trabalhando fora e acabaria precisando de uma mãozinha extra pra, por exemplo, ficar com as crianças depois do colégio. Sim, porque na primeira infância, creche neles! Na minha humilde opinião, criança deve interagir com outras crianças e não com a babá. Influência de adulto deixa comigo.

Não vou nem entrar no mérito da babá uniformizada, que tira folga de 15 em 15 dias (quando é substituída pela folguista) e que faz parte de todos os momentos da criança, até porque não quero transformar este post num pergaminho. Então vou me limitar a explicar de leve porque prefiro muito mais o jeito de criar australiano/americano/europeu.

Um

Aqui as crianças passam mais tempo com os pais. Mesmo as que vão à creche, quando chegam em casa, interagem mais com os pais. Papai e mamãe é que preparam a comida, alimentam, dão banho, contam estorinha, colocam pra dormir, levam à festinha…

Dois

A babá eventual (aquela que entra em cena de vez em quando papai e mamãe querem sair sozinhos e não tem nenhum amigo disponível pra deixar as crianças) não é vista pela criança como propriedade dela. Sim, se a babá é figura eventual, se come à mesa com a família, se não dorme no quarto dos fundos, e não age como súdita, ela é vista como uma pessoa da casa, que está no comando na ausência dos pais, o que lhe confere o direito de impor limites. No Brasil, em geral, as crianças são quem impõem os limites às babás – vocês acreditam que quando voltamos das nossas férias no Brasil, meu filhotinho mais velho me pediu uma babá, assim como quem pede um brinquedo? Fala sério! Mas tá vendo como precisa de muito pouco pra uma criança achar que isso tudo é normal?

Três

As crianças são mais independentes (aprendem a limpar a sujeira que fazem, a arrumar a própria bagunça…) e consequentemente são menos mimadas; Na boa? Até meu menorzinho, que nem fala ainda, já sabe que quando termina de tomar seu iogurte tem que jogar o potinho no lixo. Ele também come sozinho e cata os brinquedos quando acaba de brincar. Me digam se uma criança criada por babá age assim? Claro que não – salvo raríssimas exceções! E isso não é culpa dela, afinal, a babá é paga pra cuidar da criança e na mentalidade brasileira, criar não engloba educar e sim fazer tudo pela criança. Não é assim que eu educo, não é assim que a creche aqui ensina.

Quatro

As crianças aqui crescem sem dar importância à profissão da pessoa. Tanto faz se o sujeito trabalha na obra, se toma conta de criança, se é médico, carteiro, professor, encanador ou arquiteto. Inclusive, a menos que você viva num bairro muuuuuito chique, cercado por mansões (sim, porque até nos bairros chiques tem estúdios onde moram pobres estudantes que trabalham durante o dia pra pagar a faculdade), seu vizinho de porta pode ser a mesma pessoa que cuida do seu jardim. Claro, isso só é possivel porque a Austrália é um país desenvolvido, onde as pessoas, independente de com o que trabalham, ganham decentemente, o que dimiui as diferenças sociais. No Brasil, as crianças assimilam desde cedo as diferenças gritantes, o abismo social; pra elas é normal ir a uma festinha e ver a mesa das babás – aliás, elas nem enxergam isso.

Concluindo…

Por mais que eu morra de saudade da família e dos amigos no Brasil, sou muito grata por poder criar meus molequinhos numa cultura diferente da do Brasil, por poder estar mais perto deles no dia-a-dia, por não depender de babá, nem ter que conviver com essa segregação de classes absurda e que muito me incomoda. Aqui os pais é que levam os filhos às festinhas, ao médico, ao parquinho. Aqui os pais sabem mais sobre seus filhos do que qualquer pessoa (bom, pelo menos até se tornarem adolescentes, rsrsrs). E isso é motivo de sobra pra eu dizer que no caso da criação dos filhos, aceito de braços e coração aberto o jeito aussie (americano, europeu..) de ser.

É por essas e outras que eu e meu marido não conseguimos nos ver morando no Brasil novamente. Pelo menos não nessa fase da vida.

Em tempo:

Essa é uma visão genérica, baseada na minha observação sobre as crianças com babás no Brasil. Mas claro, eu conheço algumas poucas mamães por lá que se viram muito bem sem babá e outras tantas que apesar de precisarem de uma ajudinha extra, não deixam de ser super presentes na vida das crianças.

Ah, sim, eu não sou contra ter babá, mas gosto muito mais da vida que a gente leva aqui – apesar das aparentes dificuldades pela falta de ajuda.

Se quiser saber a experiência de outras Mães Internacionais é só clicar no link abaixo:

Blogagem Coletiva Mães Internacionais

 

 

oh vida…

Como vocês sabem, comecei a me dedicar ao meu mais novo projeto de vida e, gente, dá trabalho! Parece que a fase da pesquisa nunca vai terminar, é um poço sem fundo e quanto mais eu pesquiso, mais encontro coisas a considerar, o que torna essa fase infinita. Entretanto preciso move on, tenho muitas escolhas a fazer e um website pra desenhar… mas isso é só pra começar, porque, OMG, é tanta, mas tanta coisa que fico com dor de barriga só de pensar.
Mas porque o blá-blá-blá? Porque tive que tomar uma decisão difícil, me render e colocar baby Nick de volta na fila de espera pela vaguinha na creche. Desta vez, só por dois dias, porque eu realmente preciso de tempo pra me dedicar ao meu projeto.
O problema  (problema??) é que entre decidirmos colocá-lo na creche e conseguirmos a vaga não levou nem uma semana! Não esperava que fosse tão rápido assim, mas aparentemente temos prioridade, sei lá… O fato é que não estava, nem estou preparada pra mandá-lo pra creche assim, de supetão, já na semana que vem! Mas vamos que vamos, porque pelo menos a creche é do lado da Monash (trabalho do marido), onde fixarei meu posto de trabalho (seremos officemates, hehehe), logo, poderei dar um alguns pulinhos na creche durante o dia, pra dar um alô e amamentar a cria (eu sei, eu sei, eu tenho muita sorte).
Acho, e apenas acho, que tendo esses dois dias daqui até nossa viagem ao Brasil, conseguirei atingir minha meta de deixar o site em ponto de bala pra ser lançado, se Deus quiser, no primeiro dia do ano – pra dar sorte 😉 Entretanto, preparar o site é apenas a pontinha do iceberg, porque o trabalho está apenas começando. Na verdade eu me assusto com o volume de coisas que preciso fazer, mas é isso aí, ninguém me disse que seria fácil, até porque, se fosse fácil não teria a menor graça 😉
Agora é força na peruca! Cortar o cordão umbilical do meu carrapatinho vai ser brabo, mas são só duas vezes na semana (só??? ele é tão pequenininho…)… O pior é que uma vez que ele estiver adaptado vai ser pressão total, porque aí, estarei oficialmente trabalhando no meu projeto de me tornar uma mompreneur. Ai, ai, meus sais…

só pra constar

Só pra constar, nossos planos de nos mudarmos de casa/bairro foram cancelados. Pois é, gente, muito trabalho empacotar os pertences, muita mão-de-obra encontrar uma casa bacana, muito desperdício de energia colocar a casa nova do nosso jeito, quando existe uma grande chance de mudarmos o rumo da nossa embarcação novamente no ano que vem. Logo, continuaremos aqui, rezando pra que não tenhamos outro problema de vazamento. Ah, sim, outra coisa que nos fez desistir da mudança de casa/bairro foi minha decisão de não voltar a trabalhar agora e esperar bebezuco ficar um pouquinho maior pra ir à creche sem que eu fique arrasada.
E o que eu faço enquanto isso pra não enlouquecer? Ha! Coloco em prática meu plano de vida profissional e entro com tudo pro mundo das mompreneurs. Aguardem, novidades a caminho 😉

quarta-feira

Hoje eh quarta-feira, e a partir de hoje, o Vivi nao irah mais a creche as quartas. O que isso significa? Que eu vou ter que dar atencao pro meu needy baby e pro meu needy kinder boy.

Oh well, so far so good e apesar do dia ter sido bem wild, eh com orgulho que conto: sobrevivi. E sabem do que mais? Apesar de ser bem mais cansativo lidar com dois (ainda mais de idades e necessidades tao diferentes), jah que nao tenho aquela folguinha costumeira de quando o bebe dorme, o dia foi bem mais divertido e foi ateh mais facil entreter o pequeno com o Vivi por perto (apesar da atencao ter que ser redobrada). Tah, eu tive que atender aos incessantes “me brinca?” do meu molecote. Tive tambem que providenciar 2 almocos diferentes (um pro Nick, outro pro Vivi), ao inves de comer meus chocolates, bolos e biscoitos no improviso. Tambem tive que tirar da cartola um lanchinho da tarde divertido e nutritivo, porque se depender dele, come soh “cavalita” (apelido carinhoso dado por ele ao nosso bom e velho Galak – chocolate branco). E como estava na chuva, resolvi me molhar e acabei preparando as papinhas do Nick pros proximos dois dias (as”salgadas”, que nao tem sal, e as doces), as custas, eh claro, de muita manha e choro do bebezuco.

Tudo bem que soh fui tirar o pijama as 3 da tarde, quando o bebe, que hoje estah febril, tirou, a duras penas, sua segunda sonequinha, mas no fim das contas ateh que fiquei bem feliz com meu dia. Foi beeeeeem melhor do que eu previa 😉

quando o papai chegou no fim do dia, as criancas jah estavam de banho tomado e pijaminha