Mães Internacionais

Gentem, não sei se vocês repararam, mas tem um selinho novo e único na coluna aqui do lado, é do Mães Internacionais, um site muito interessante, especialmente pras mamães brasileiras que como eu, nao moram na Terrinha. Lá estão reunidas mais de 40 mães, que espalhadas por esse mundão contam um pouco sobre como é a vida de uma Mãe Internacional.

Pois bem, este post é especialmente dedicado a uma propagandinha básica, porque além do site ser super bacana e abordar uma grande variedade de assuntos, está pra rolar um sorteio na primeira semana de Junho.

Participar é muito fácil, basta “curtir” a pagina do Mães Internacionais no Facebook e pra dar uma olhada nos prêmios, é só clicar AQUI

Se você gosta do The Jump, tenho certeza que também vai gostar do MI  😉

a primeira engatinhada

A primeira meia engatinhada a gente nunca esquece. Especialmente quando vem de um bebê que nunquinha aceitou ficar deitado de barriga pra baixo, tampouco levantava o cabeção pra olhar o mundo de frente. Sem falar que deixou sua mamãe doidinha.
A primeira vez do Nick foi hoje, por volta de 1:30 pm – horario de Melbourne. Foram só quatro “passinhos”, depois disso ele sentou-se e deu um daqueles sorrisos de afogar o coracao de tanta alegria. Eu emendei com o já tradicional “eeeeeeeê” e ele me acompanhou com palminhas  – coisa mais rica!
Quem sabe, mês que vem ele repete o ato? Sim, porque uma hora depois já estava ele todo metido, ficando de pé sozinho. (Aliás, vocês repararam que agora meu teclado tá alfabetizado novamente? uhuuu, com uma ajudinha do meu compadre Nicolas, ajustei o que faltava ser ajustado e desde entao, sempre que me lembro, coloco acento nas palavras, afinal foram 7 anos sem usá-los. Vergonha, eu sei, especialmente porque muitas vezes, até em manuscritos saía “jah”, “eh”, “soh”…)

Já que a engatinhada foi a jato, tirei fotos da sequencia de “ficadas de pé” que veio meia-hora mais tarde 😉

grown ups

Estavámos ontem numa loja dessas que vende DVDs quando vi numa prateleitra o “Grown ups” e falei pro marido: Poxa, queria tanto ter assistido esse filme… vamos pegar na locadora?

Ele, indignado, responde: “Como assim? Voce tá brincando, neh? A gente assistiu esse filme!”

E comecou a me contar várias cenas, certo de que eu me lembraria, entretanto nenhum detalhe, nem unzinho sequer me pareceu familiar (alem das cenas do trailler, of course). Mas o marido foi ainda mais longe, especificou  ainda em que cinema haviamos ido. Eu continuei com cara de paisagem – nao lembrava mesmo!

Àquela altura eu já estava acreditando que realmente havia assistido o filme e, pior, estava ficando preocupada com a minha total e absoluta falta de memória. Tah certo que eu raramente lembro da trilha sonora dos filmes (apesar de ter uma otima memória, que fique claro), mas daí a não lembrar de uma cena sequer, meu Deus, isso é esclerose!

Saímos da loja e fomos dar uma volta no shopping. Passada uma meia hora, sentamos no San Churro pra comer nosso tradicional churros com chocolate e um outro assunto veio a tona. Maridinho que está com uma especie de alergia na testa, lembrou que a ultima vez que sentiu tanta queimacao nessa regiao, foi no ano passado, quando estava nos EUA, numa conferencia. No mesmo segundo falei: “É isso! Voce assistiu o fime no aviao, seu bobalhao! =) E voce querendo me fazer acreditar que a desmemoriada aqui sou eu, humpf!”

Ele, exibindo um semblante ligeiramente envergonhado, porem ainda nao muito convencido da possibilidade, ficou pensativo por uns segundos e por fim, adimitiu que eu estava certa e, como nao podia faltar a ironia do final, me recomendou fortemente o filme 🙂

Pra quem nao conhece, este é Mauricio Palmeira, o meu marido (que precisa urgentemente trocar seu memory card de 256 MB por um  de pelo menos 4 G, hehehe)

Em tempo: no fim das contas, ele se justificou, dizendo que toda a certeza que ele tinha se dava ao fato de que ele sabia que havia assistido aquele filme e que nao poderia ter sido sem mim, logo, foi uma certeza baseada no amor. Okay, assim eu até desculpo 🙂

quarta-feira

Hoje eh quarta-feira, e a partir de hoje, o Vivi nao irah mais a creche as quartas. O que isso significa? Que eu vou ter que dar atencao pro meu needy baby e pro meu needy kinder boy.

Oh well, so far so good e apesar do dia ter sido bem wild, eh com orgulho que conto: sobrevivi. E sabem do que mais? Apesar de ser bem mais cansativo lidar com dois (ainda mais de idades e necessidades tao diferentes), jah que nao tenho aquela folguinha costumeira de quando o bebe dorme, o dia foi bem mais divertido e foi ateh mais facil entreter o pequeno com o Vivi por perto (apesar da atencao ter que ser redobrada). Tah, eu tive que atender aos incessantes “me brinca?” do meu molecote. Tive tambem que providenciar 2 almocos diferentes (um pro Nick, outro pro Vivi), ao inves de comer meus chocolates, bolos e biscoitos no improviso. Tambem tive que tirar da cartola um lanchinho da tarde divertido e nutritivo, porque se depender dele, come soh “cavalita” (apelido carinhoso dado por ele ao nosso bom e velho Galak – chocolate branco). E como estava na chuva, resolvi me molhar e acabei preparando as papinhas do Nick pros proximos dois dias (as”salgadas”, que nao tem sal, e as doces), as custas, eh claro, de muita manha e choro do bebezuco.

Tudo bem que soh fui tirar o pijama as 3 da tarde, quando o bebe, que hoje estah febril, tirou, a duras penas, sua segunda sonequinha, mas no fim das contas ateh que fiquei bem feliz com meu dia. Foi beeeeeem melhor do que eu previa 😉

quando o papai chegou no fim do dia, as criancas jah estavam de banho tomado e pijaminha

muito observador

Noutro dia, enquanto eu lavava o rosto do Vivi, ele, me olhando pelo espelho, disse:
-Que isso? Deixa eu ver…
E se virando, pra me olhar de frente continuou,
-Essa blusa eh nova?  E essa calca tambem!
Sim, ambas eram novas, mas nao eh como se a blusa fosse muito diferente das que eu jah tinha e a calca entao, era uma legging, identica a uma antiga, soh que novinha.
Ao pai eh que ele nao puxou! Meu maridinho eh fofo, coisa e tal, mas eh incapaz de notar que mudei um movel de lugar, tampouco se ha quadros novos na parede.
O que eu sei eh que Vivisauro vai fazer muito sucesso com as meninas, porque que mulherzinha nao gosta que reparem nas suas unhas feitas, ou na aparada de pontas que deu nos cabelos, ou nas sobrancelhas impecaveis, ou no vestido novo, ou nas discretissimas highlights? Tah, tambem tem o lado negativo, porque ele repara em tudo mesmo! =O|

gentem, vejam que delicia!

Dia desses fui prestar atencao aos anuncios que aparecem no blogger e tive a revelacao que andava procurando faz um tempo. Eh o Blog to Print. Simplesmente fantastico!

Voce coloca o endereco do seu blogger, segue um passo-a-passo simplerrimo e o site gera um livro (que pode ter capa dura ou nao, pode ser P&B ou colorido) fantastico, que voce pode editar, adicionando ou retirando posts e/ou comentarios, modificando capa e contra-capa. Easy as a pie, perfeito! E o preco eh super razoavel. To tao feliz!! =)

A principio, pensei em comecar fazendo um livro com todo o conteudo do Um em Dois, mas seria uma biblia, entao resolvi fazer varios volumes, talvez anuais. Nesse espirito daria tambem pra ir imprimindo volumes do TJOTK.

Tenho certeza que muitas das minhas amigas blogueiras jah conhecem, mas pra quem ainda nao foi apresentada, vale a pena dar uma olhada 😉

familia, familia

Nao tenho tido muito tempo livre (baby Nick anda muito, e cada vez mais, manhoso), por isso os posts estao escassos toda vida. Mas como uma das funcoes desse blog eh fornecer material pra familia e amigos matarem as saudades, aqui vao umas fotitas pra colorir o pulo do canguru 😉

dando uma de Tarantino

esse Vivi vive inventando moda

e eh dono do sorriso mais lindo do mundo

jah seu irmaozinho entrou na fila da fofura umas 100 vezes – e foi atendido em todas elas 🙂
eh meu bebezinho-propaganda 😉

e guloso que soh vendo

e simpatico toda vida

eles sao uma dupla e tanto – vao dar trabalho quando crescerem (nao pra mim, mas pras gatinhas)

mas enquanto esse dia nao chega, a gente vai curtindo as nossas fofas criaturinhas

ateh eles aprenderem a ‘andar com as proprias pernas’ e comecarem a achar que tudo eh ‘mico’, ou coisa que o valha =O|