soh eu mesmo

***escrito aos 30 de outubro de 2010***

Sem dormir, ainda fraca e com uma dor de cabeca insuportavel aqui estou eu atualizando o blog e me perguntando porque inventei de comemorar o aniversario do Vini no fim de semana que vem. Nao pelo fato de comemorar, mas pelo que isso significa: produzir lembrancinhas, garrafinhas, chapeuzinhos, tudo personalizado com a carinha do meu palhacinho. Doida, neh? Parece ateh que tenho tempo sobrando, que nao tenho mais o que fazer e que estou cheia de saude e disposicao. Ha!
Mas esta sou eu, fazer o que? Um dia eu aprendo… ou nao.

Tudo personalizado: convite, etiquetinha do envelope, caixinhas de brinde, bloquinhos, embalagem de balas e crayons, chapeuzinhos, garrafinhas de agua… ah, o bolo eu soh idealizei, quem executou foi uma boleira brasileira de mao cheia que conheci aqui atraves da Polly

calmaria?

***escrito aos 30 de outubro de 2010***

Hoje, comeco a ter esperanca, especialmente porque esta noite o bebe, num ato milagroso, deu uma bela dormida apos a mamada das 9:30 PM, o que me permitiu ter 3 inacreditaveis horas de sono e como voces sabem, em terra de cego, quem tem um olho eh rei. Consegui, finalmente, descancar – se eh que podemos chamar 3 horas de sono de descanso. Mas nao para por aih, ele passou uma noite bem melhor, e quase nao chorou, soh o basico. Acordava, mamava, arrotava, tinha sua fralda trocada e dormia – jah no bercinho ao inves de no colo. Como? Bom, a parte da ausencia de choro nao sei explicar, foi coisa de momento mesmo, mas a parte da dormida no bercinho, aquele que ateh entao era plantacao de espinhos, usei a mesma tecnica usada com o Vini na epoca que o transferi do bercinho pro berco normal: aconchego! Ha quem me critique, que me atire pedras, ha ateh quem mande me prender, mas sabem de uma coisa? I know better! Aqui na Australia, onde bebe soh pode dormir de barriga pra cima e onde no berco nao se pode colocar um bumper sequer, certamente levaria um mega puxao de orelha… nao to nem aih, ofereceria a outra! O que tem feito o pequeno aceitar melhor o bercinho sao os bons e velhos rolinhos de cobertor. Sao dois, um fica apoiado nas costas do bebe, que deita de ladinho, e o outro fica na frente do bebe, abaixo do peito e passando por entre as perninhas. Dessa forma ele nao se sente solto e ao mesmo tempo consegue movimentar os bracinhos e perninhas, coisa que  nao consegue quando estah embrulhadinho (o Nick ODEIA ficar com os bracinhos presos). Bom, cada um joga com as armas que tem e por enquanto as minhas sao estas. Ele fica tao bem, com um semblante tao satisfeito que mal dah pra acreditar. Que bom que lembrei dos meus amigos rolinhos  =)

pior nao pode ficar

***escrito aos 30 de outubro de 2010***

Serah?
Pois aqui ficou e alem de nao ter mais meus pais aqui, uma nuvem negra se instalou no telhado aqui de casa e o Mauricio pegou uma gripe horrorosa no dia seguinte a partida dos meus pais e eu, embora nao tenha ficado gripada, fiquei tao emocionalmente abalada que nao conseguia comer nada e apos 24 horas com apenas agua no estomago acabei ficando doente tambem, fraqueza, febre, um frio descomunal, enjoo (ateh vomitei – odeio vomitar!), dor de cabeca fortissima… enfim, um belo cenario pra quem gosta de filme de terror. E como cuidar de um bebe e um molequinho estando os dois assim? Bom, o Vivi vai pra creche 4x por semana, thank God!, mas o bebe precisa de atencao full time, que eu ateh daria conta estivesse no meu estado normal, mas desse jeito fica um tantinho mais complicado.
O que posso dizer eh que passamos uma semana bem interessante, passei 4 noites e 4 dias sem dormir (quando muito cochilinhos de 20 minutos – um luxo!), me arrastando, sem comer, e, pra piorar com um bebe que resolveu desandar a chorar 24/7 um choro esgoelado que nada fazia parar, alem de nao dormir mais do que vinte minutos, exceto quando dormia no meu colo (mas aih, do que me adianta?).
O marido, tadinho, ia levar o Vini a creche e voltava pra ficar comigo e me ajudar com o pequeno encrenquinha, com uma fralda devidamente amarrada em volta do rosto pra nao infectar o bebe.
Dias dificeis.

de pernas pro ar

***escrito aos 29 de outubro de 2010***

Minha casa estah absolutamente de pernas pro ar. Jamais imaginei que pudesse ficar assim – nem nos meus mais horripilantes pesadelos.

Brinquedos, roupas, almofadas, travesseiros, cobertores, copinhos… Uma zona! e eu de pes e maos atados… atados aquela cadeira onde fico amamentando, sabem? Bom, quando nao estou lah, estou andando com o bebe pela casa e vendo o estrago feito apos uns dias sem meus pais por aqui. Mas como voce pode saber se a casa estah realmente uma bagunca ou se eh mais um dos exageros da Eriquinha? Eu te digo como. Ateh meu marido estah incomodado com a bagunca!!! Sim, sim, sim! Ou melhor, Nao, nao, nao! =( Eh grave a crise.

Cade meu pai que nao deixava louca na empilhar e que pegou minha “doencinha” e vivia ajeitando as cadeiras em volta da mesa na marquinha correta do tapete, e o sofa, que insistia em sair do lugar? Cade minha mae que nao deixava poeira acumular e limpava a casa todo santo dia (um exagero, eu sei). Isso tudo fez com que o contraste do antes e depois ficasse ainda mais gritante e agora a vontade que eu tenho eh de sair correndo daqui.

Mas tudo bem, daqui a pouco as coisas se ajeitam, o bebe para de chorar e eu posso voltar a ativa – ou pelo menos a meia-ativa. Oh well, eh importante acreditar.

culpa

***escrito aos 28 de outubro de 2010***

Na minha humilde opiniao, a pior parte de ter um segundo filho eh, sem duvida nenhuma, a culpa.
Eu, por exemplo morro de culpa cada vez que o Vini se aproxima e eu nao posso dar atencao, cada vez que pede que eu deite com ele e eu estou amamentando, cada vez que estou com o Nick no colo cantando pra ele e nao estou brincando com meu big boy. Fico arrasada. Queria mesmo era poder me dividir em duas, assim ninguem seria negligenciado.
Sorte grande eh que meu meninao eh super compreensivo e nada ciumento, sem falar que ele eh apaixonado pelo irmao. Ele acaba sempre entendendo que o irmaozinho precisa mamar e que precisa ficar no colo ateh dormir ou parar de chorar. Mas eh exatamente por isso que me sinto mais culpada, he is such a nice boy! Tao compreensivo e eu tao pouco tenho podido lhe oferecer…
Espero que essa fase passe logo… sinto muita falta de interagir com meu filhotinho numero um.

they are gone =(

***escrito aos 28 de outubro de 2010***

Apos dois lindos meses tendo ao alcance de minhas maos meus pais e minha sobrinha, eis que chegou a hora (nao no meu calendario, que fique bem claro) e eles partiram, voltaram as terras onde canta o sabia – se bem que descobri que eles tambem cantam aqui, acreditam?
Partiram na madrugada de segunda pra terca e junto levaram um pedaco do meu coracao, que em frangalhos me fez chorar compulsivamente o dia inteirinho. Passei a terca-feira sem conseguir comer nada, tudo me embrulhava o estomago. Chorava ao passar pelo quarto em que eles dormiam, chorava ao ver que o chinelinho do Vivi, ali junto a porta da varanda, nao tinha mais seu companheiro, o chinelinho da Juju :(. Chorei tambem ao ver uma muda de roupas esquecidas por minha mae, e ao me deparar no armario da cozinha com aquela vidro de Nescafe gigante com apenas uma raspinha. E quando encontrei a sapatilha cor-de-rosa da Juju lah no hall de entrada? Chorei de solucar. E assim foi meu dia, chorando, solucando, com uma tristeza que ha muito nao sentia, uma sensacao horrivel de perda, sabendo que na melhor das hipoteses os verei novamente no final de 2011.
Poucas horas apos a partida deles, jah sentia falta do repetitivo “tia eeeeerica” da Juju (e quando eu digo repetitivo, acreditem, a cada 2 minutos :)), da inquietude da borboleta, do cheirinho de cafe com canela do papai, e dele contando e se acabando de rir das peripecias do Vini nas idas ao parquinho, dos bolos e das comidinhas da mamae, do tempo que passei com eles, que os tive aqui pertinho 24 horas por dia, de ter podido conversar sobre tudo e sobre nada.
Claro que alem de todo o conforto emocional que eles proporcionaram, teve tambem a parte pratica, porque, meus caros, eles nao ajudaram, tomaram conta da casa, de tudo. Fazer comida? Dar banho nas criancas? Limpar/arrumar a casa? Levar a criancada pra brincar no parquinho (ou mesmo na varanda)? Varar madrugadas em claro, de prontidao pra pegar o bebe e faze-lo arrotar e trocar sua fralda? Andar pra cima e pra baixo com o bebe ateh ele parar de chorar… tudo sob controle.
Agora, estah tudo descontrolado e ainda nao consigo ver no horizonte a ordem de volta a esta casa, que se voces vissem como estah, certamente duvidariam que eu moro aqui. Mas pior do que casa baguncada eh casa baguncada e vazia, silenciosa. Claro, silencio eh bom, de vez em quando e por pouco tempo, uma horinha no maximo, passou disso, virou tedio, solidao, e eh assim que a casa se encontra.

Papi, mami e Juju, o tempo que voces passaram aqui foi daquelas coisas que nao tem preco, pena que acabou. Fica agora a saudade que qperta no peito, faz doer o coracao, mas fica tambem o desejo de que voces voltem e que nos permitam ter o prazer da companhia diaria de voces novamente.

primeiro mes fora da barriga

***escrito aos 24 de outubro de 2010***



Nick e a “abeluda” =)

 No dia 22/10, baby Nick completou um mes de vida fora da barriga… e como ele cresceu!

Na ultima consulta, a das 4 semanas, comprovamos que nosso comilaozinho de plantao estah num ritmo alucinado de crescimento e engorda. Agora, ele mede 54,8 cm e pesa 4,872 Kg. Cresceu e engordou acima do maximo esperado. Esse eh meu Big Boy 🙂

O lado ruim eh que as roupinhas de recem-nascido jah nao lhe servem mais – mas a mamae aqui, insistente, ainda forca uma barra… elas sao tao fofas, dah peninha de descarta-las.

Fora isso, aprendemos um pouquinho mais sobre como lidar com essa figurinha, gracas a enfermeira que nos atendeu, que deve ser meio bruxa, soh pode!, jah que descreveu com detalhes nao soh o comportamento do pequeno, como tambem os males que o assolam, tudo baseado na soma de dois fatores: minha declaracao de que ele mama(va) a cada meia-hora se lhe for permitido e o fato de que ele engordou acima do esperado.

Resumindo a opera, ela me aconselhou a nao sucumbir ao choro dele e amamentar com intervalos de no MINIMO duas horas, jah que o bichinho mama muito nao porque tem fome, mas porque eh guloso mesmo :). Brincadeiras a parte, a verdade eh que o fato dele aceitar o peito quando chora, nao significa que estah com fome e mesmo quando ele chupa a maozinha, isso nao quer dizer que eh hora de mamar, jah que a succao gera conforto, logo, ateh uma colica pode ser amenizada se ele for colocado pra mamar. Prova disso eh que, conforme ela viu em sua bola de cristal, muitas vezes ele dorme no peito apos dois minutos de mamada. Isso nao aconteceria se ele estivesse com fome. O que fazer? Nao dar moleza pro pequeno!, porque segundo a nurse, se eu amamenta-lo cada vez que ele chorar desesperadamente, ele vai aprender o mecanismo do dominio da situacao e gerar uma cenario pouco saudavel pra mim e pra ele. Pra mim porque eu fico exausta e em carne viva. Pra ele porque o fato dele mamar pouquinho tempo, faz com que ele pegue soh o leite inicial, o que dah mais gases (logo, mais colica), e assa o bumbum. Sem falar que mamando por pouco tempo, ele nao fica satisfeito de verdade, o que o faz acordar poucos minutos depois, querendo o famoso refilzinho e aih, meus caros, o dia vai passando e eu vou criando raizes naquela bendita cadeira.

No mesmo dia, comecei a botar em pratica o conselho da minha amiga enfermeira e, coincidencia ou nao, ele estah melhorando – apesar de ficar furioso por ter que esperar intervalos de duas horas entre as mamadas. Mas como dizem por aih, pra se fazer um omelete eh necessario quebras os ovos primeiro. Acho que o sacrificio de ve-lo se esgoelando estah valendo a pena. Mas nao quero cantar vitoria antes do tempo. Vamos aguardar uma semana e ver se o progresso continua. O importante no momento eh que consigo ver a luz no fim do tunel… jah pensou se o Nick vira um bebe modelo??? Que sonho! 🙂

Em tempo: sei que jah reclamei muito do sistema de saude daqui quando cheguei, mas preciso repetir que estou extremamente satisfeita com a saude infantil. Eles sao extremamente organizados e os profissionais sao absurdamente competentes. Mas isso eh assunto pra um proximo post 😉