onde ele aprendeu isso?

Sempre achei que as criancas eram reflexo do que viam em casa. Sempre que via uma crianca batendo na outra, gritando com a outra, sendo egoista, sempre atribui a culpa ao que os poveretos presenciavam em casa, aos pais. Tsk tsk tsk… ledo engano! A menos que eu seja sonambula e levante de madrugada, pra gritar com o Vinny e dar uns tapas nele, nao sei de onde ele tira esse comportamento bruto que ele tem. Volta e meia a gente leva um soco (ele fecha a mao e vem com tudo!), um tapa, ou mesmo um ‘brinquedada’ na cara. Sem falar que ele quer sempre resolver tudo no grito.

Considerando que ele nao vai a creche, quase nao interage com outras criancas, e todo programa que assiste eh educativo, soh posso chegar a uma conclusao: isso faz parte da personalidade barbara dele. Jah veio com ele, nasceu assim. O que fazer? O pior eh que nao dah nem pra dizer que eu ou o Mauricio eramos assim quando criancas, porque nao eramos! Nao eramos e nem somos. Sempre fomos super tranqulilos. Dah pra entender uma coisa dessas?

toda crianca eh assim

Hahaha, melhor rir pra nao chorar! Quando a gente conta pra alguem, que nao convive com o Vinny, obviamente, sobre como ele eh, sobre o que ele apronta, geralmente ouvimos de volta :”ah, mas isso eh normal, toda crianca eh assim.. eh sinal que ele eh saudavel…”
Pois bem, toda vez que saimos com ele, seja no trem, seja na rua, seja dentro de alguma loja, seja no shopping, seja no restaurante, seja no mercado, seja na feira, sempre vemos dezenas de criancas, TODAS elas comportadas. E quando eu digo comportadas, nao estou me referindo a criancas-estatua nao! Todas elas brincam, correm, se divertem, porem, NENHUMA, repito, NENHUMA se comporta mal feito o Vinny. Pelo contrario, elas ateh se assustam com ele. Serah que sao todas doentes?

o contrario

Normalmente, as criancas tem os “seus momentos” arteiros, indomaveis, irritantes… O Vinny tem os “seus momentos” doceis. Vez por outra ele decide fazer um cafuneh, dar beijinho, abraco, rolar na cama com a mamae e o papai, brincar, assistir um cartoon sentadinho (nao por muito tempo, claro). E sao esses momentos que me fazem ter a esperanca que dias melhores virao e que minha vida nao serah para sempre esse turbilhao de estresse. Vez por outra, eu chego a ver a luz no fim do tunel.

errata

Venho por meio desta retificar a informacao precipitadamente fornecida referente a habilidade, que nosso querido filhote possuia, de dormir bem.
Agora o pacote estah completo, nem dormir bem ele dorme mais! Antes ele dormia direto, acordava uma, no maximo duas vezes, por ter perdido a chupeta, mas assim que a dita-cuja era posta de volta em seu devido lugar, ele automaticamente voltava ao mundo dos sonhos. Infelizmente a realidade nao eh mais esta e agora, quando acorda, nao basta que lhe seja devolvida a chupeta, ele quer o cabelo (“bil”, ele pede) e ai de voce se nao der! A gritaria vara a madrugada! Que fique claro que ‘dar o cabelo’ significa ficar encolhido na caminha dele por sabe-se lah quanto tempo (pode durar horas) ateh que ele durma profundamente e voce consiga desvencilhar seus cabelos, que a esta altura estao emaranhados nos dedos dele. E, se por incautela sua, o Vinny nao estiver dormindo profundamente, o relogio eh zerado e o processo comeca tooooodo novamnete. Sim, ele eh viciado em cabelo! VICIADO! Nao pode ver que quer pegar, fica nervoso se vc nao fornece a cabeleira. Pior eh que nao se satisfaz em apenas pegar, quer colocar os pes, quer ateh morder os cabelos!
As vezes dah vontade eh de raspar a cabeca!

a vida na australia so far: pros, contras e balanco

Antes de virmos pra cah, visitei muitos blogs de brasileiros que vivem aqui (nao necessariamente em Melbourne) e contam as vantagens e desvantagens da vida aussie. Sem falar que todo mundo que a gente conhece tem um irmao, um primo, um amigo que mora na Australia… E todos sao unanimes: Australia rocks! Australia eh o que ha, tudo de bom na vida do ser humano 🙂
Bom, a beleza existe, nao vou negar, mas cah entre nos, a Australia soh eh perfeita pra quem saiu do Brasil. Meu ponto eh, brasileiros saidos do Brasil amam a Australia, acham a vida aqui perfeita, o paraiso na terra. Jah brasileiros que moraram fora (nao digo na Europa, porque dependendo do pais, a vida pode ser bem baguncada, complicada), especialmente – e por que nao dizer especificamente (?!) – nos Estados Unidos, nao acham a casa do canguru essa maravilha toda…
A vida aqui nao eh tao simples como nos EUA, onde tudo eh resolvido em milesimos de segundo, onde voce tem sempre razao, onde eletronicos e eletro-domesticos saem a preco de banana, onde comer fora custa tanto quanto comer dentro :), onde voce facilmente consegue um financiamento pra comprar o carro dos seus sonhos pagando juros ridiculos, onde “se quebrou, joga fora e compra novo”… Aqui a banda toca um pouco diferente. Eh como se fosse o Brasil melhorado (beeem melhorado), sem aquela corrupcao, sem tamanha violencia… Aih, meus caros, nao dah outra, brasileiro vem pra cah e cai de amores! Nos tambem estamos encantados com a vida aussie, nao necessariamente pelos mesmos motivos dos outros brasileiros. Nos encantamos com viver a 15 minutos do centro da cidade, numa casinha com quintal, jardim e onde os passarinhos cantam, distantes 5 minutos da praia. Nos encantamos com pode-se viver bem, ter tudo ha poucos passos da porta de casa. Nos encantamos por estar de volta a big city e nem por isso termos que nos preocupar com a violencia. Nos encantamos com o jeito aussie-baiano de ser. Nos encantamos com um povo que sabe viver, que trabalha pra viver e nao vive pra trabalhar. No entanto, nos quesitos organizacao, rapidez no atendimento e burocracia, por exemplo, a Australia estah longe de competir com os EUA. Aqui tem muita conversinha fiada, gente enrolada que segue o roteiro e nao sabe improvisar. E nesse ponto, queridos, I miss the USA!
Mas, apesar disso e, mais do que isso, apesar de eu ainda nao estar com a vida nos conformes, como manda o figurino, ainda assim, nao voltaria pros EUA. Nao tenho a menor vontade de morar novamente numa cidade americana. Claro, que se fosse pra morar em Manhatan ou em San Francisco, eu ateh colocaria na balanca, ponderaria… mas nao pra esse momento da minha vida, e sim pra daqui uns 4 anos… Mas a verdade mesmo, eh que apesar de eu ter me acostumado as facilidades da vida americana, apesar de sentir falta disso, meu sangue brasileiro-baguncado fala mais alto e estar num lugar onde te dao desconto quando voce vai comprar eletro-domesticos, estar num lugar onde as pessoas sao mais enroladas (porem mais humanas, calorosas), estar num lugar assim faz com que eu nao precise tempo pra me adaptar. Faz com que eu me sinta em casa desde o primeiro dia.
Eh assim que eu me sinto: em casa! Mesmo estando tao longe, sentimos que estamos em casa.
Hoje completamos dois meses desde que desembarcamos em Melbourne, dois meses desde o primeiro por do sol na praia de Elwood, dois meses desde o primeiro nhoque em St. Kilda. Dois meses de muuuuitos outros que estao por vir e que, certamente nos darao muitas razoes pra rir e muitas estorias pra contar.

A verdade eh que a vida nos EUA chega a ser artificial de tao arrumadinha, de tao certinha, o que pra mim foi encantador… no comeco. Depois comecei a me sentir dentro de um grande Show de Truman, de uma grande cidade cenografica, onde tudo eh programado pra dar certo. Foi bom viver nesse seriado americano nestes ultimos 5 anos, mas do fundo do meu coracao, cada vez que olho ao meu redor e me dou conta de onde estou, fico feliz por termos tido a chance de mudar de ares. Soh nao fico mais feliz porque ainda eh inverno e, apesar do inverno daqui nao ser NADA comparado ao de Bloomington, eu preciso que o verao chegue…e logo!!!!

nao sei o que me irrita mais

Trocar a fralda ou escovar os dentes?
Sinceramente nao sei qual das duas tarefas eh a pior, a mais irritante.
A hora da troca de fralda (especialmente a de numero 2) me faz sentir num ring de luta livre: tenho, praticamente, que imobilizar meu adversario, tarefa um tanto complicada, quando soh se tem uma mao disponivel (visto que a outra estah trabalhando na troca de fralda em si) pra segurar um menino de mais de 90 cm e 15 Kg, que dah pernadas, se debate, gira, grita, poe a mao no motivo da troca da fralda, enfim, uma beleza. Tao espertinho, mas incapaz de ficar quieto 30 segundos pra que eu possa lhe fazer o favor de lhe proporcionar um bumbum fresquinho novamente. Ele jah nao deveria estar se incomodando com bumbum sujo aos quase 2 anos???
A hora da escovacao dos dentes eh outra luta, e desta vez, preciso quase sempre de um aliado pra segurar pernas, bracos, cabeca e faze-lo abrir a boca. Desesperador!
“Ah, mas conversa com ele, conta uma estoria, deixa que ele te ajude a escovar os dentes…”
Podem ter certeza que de TUDO jah tentamos! E continuamos tentando! Mas o bonitao nao quer saber de nada disso. Nao quer estoria, nem conversa. Quanto a “ajuda”, ele, muito independente, quer “escovar” sozinho e nao aceita escovar um pouquinho e depois deixar a mamae escovar. O contrario entao, nem em sonho. Quando tentei usar desse artificio, a tal da psicologia infantil, que funciona na maioria das casas, duas escovas ficaram inutilizadas, jah que o bonito, apos escovar o vazio da boca (sim, ele nao encosta a escova nos dentes! fica lah ‘esfregando’ o vazio da boca), mastigou, mastigou, mastigou as cerdas da escova, ateh inutilizar uma, depois a outra.
A gente comeca tentando conversar, mas o encrenquinha vira um bicho furioso, daih, meus caros, ou eh partir pra ignorancia e imobiliza-lo, ou deixar os dentes apodrecerem.

O pior eh que ele faz isso tudo de proposito. Prova disso eh que, frequentemente, apos nossa luta acompanhada da gritaria, ele comeca rir, dar gargalhadas mesmo. Alguma eu fiz pra merecer isso!

Bom, mas pensando bem, o que me irrita mesmo nao eh nem a troca de fralda, nem a escovacao dos dentes, o que me irrita de fato eh a jah conhecida pirraca, a gritaria no meio da rua. O que me irrita mesmo eh ter que lidar com uma crianca que se joga no chao, por nao ter seus caprichos atendidos. Ontem mesmo, fomos tirar nosso cartaozinho do Medicare e o Vinny nao queria sair da frente da maquininha de fornecer senhas. Chegou ateh a selecionar um servico e retirar uma senha!
Claro que tentei, em vao, conversar com ele, chamar sua atencao pra outra coisa, explicar o porque… enfim, eh obvio que eu tento agir da forma civilizada! E sabem como ele responde? Se jogando no chao, se arrastando feito um bichinho, gritando como se estivesse sendo torturado. E nesse momento, ele fica selvagem. Eu conto ateh dez, respiro fundo e pego, com muito custo, o bonitao no colo, que continua se debatendo por muito tempo. E haja forca pra segurar! E haja sanidade aguentar!
*****
Acho que vou mudar o nome desse blog pra “Desabafos de uma mae desesperada”

‘comumicassao’

-Voce acha que eu devo procurar um neurologista pra ver minha memoria?
-NUMEROLOGISTA??? Pra que???
-Voce acha que eu devo procurar um fonoaudiologo pra voce passar a me entender?

PS 1: acho que nao eh necessario dar nomes aos bois
PS 2: soh pra que nao haja duvidas, o title foi misspelled de proposito 😉