we’re back

Apos um longo e tenebroso inverno, eis que estamos novamente conectados ao mundo! Nosso sumico, e a consequente ausencia de posts novos se deveu a nossa total e completa falta de comunicacao com o mundo (na verdade, mais a minha do que a do Mauricio, que pelo menos pode acessar a net do trabalho). Desde que nos mudamos, alem da nossa jah conhecida condicao de sem-celular, nos tornamos tambem membros do grupo dos sem-internet. Mas agora isso faz parte do passado e estamos comecando uma nova era, conectados pra valer: os celulares chegaram na segunda e a internet chegou hoje. Entao, “senta que lah vem estoria!” =)

Nossa, essas ultimas duas semanas voaram, foram tantas coisas pra resolver, tantas idas e vindas a procura de moveis, geladeira, maquinas de lavar e secar e todo o tipo de eletronicos e eletrodomesticos, que fico ateh tonta soh de lembrar o quanto andamos, a peh e de trem, ateh encontrarmos tudo (ou quase) o que precisamos pra viver e habitar nossa nova sweet home.
Felizmente conseguimos otimos precos e ao contrario de nossas pessimistas previsoes, fizemos excelentes negocios. Afinal, eletronicos, moveis e eletrodomesticos aqui nao sao assim tao caros. E o melhor eh que o preco da etiqueta nao eh pra valer! Eles te dao descontos inacreditaveis assim sem voce nem pedir.

Foram praticamente 3 semanas desde o meu ultimo post (nossa!!) e desde entao, contraih uma gripe do mal, me estressei muito com o Vinny, gastei muita sola de sapato e paciencia, queimei muita massa cinzenta tentando planejar mentalmente o interior da nossa casinha e quase morri do coracao quando vi o tamanho do sofa que compramos (tive que mudar o layout, o que inutilizou o movel comprado para a TV, mas mantivemos o sofa!). Mas entre mortos e feridos, salvaram-se todos e, aparentemente a operacao montagem da casa esta sendo um sucesso. Do garfo a geladeira, da TV ao tapete, da cama ao lencol… quase tudo em ordem. Faltam soh alguns poucos itens que vamos comprando com calma, e eh claro falta tambem chegar nossa mudanca dos EUA, que estah programada para aportar aqui em Melbourne no fim do mes. Obviamente, estou em colicas pra rever meus pertences, caixas e mais caixas de sapatos, casacos, roupas, livros, Cds, DVDs, objetos pessoais, brinquedos, roupas de cama e banho, alguns poucos moveis, coisas de cozinha, banheiro… Muito o que organizar. Nao vejo a hora!

Em tempo: vamos ver se o Mauricinho vai levar adiante a iniciativa de postar no Blog…

me auto-convidando a mim mesmo para postar


OK, o blog ja nao eh mais um em dois…com toda razao, dona Erica me perguntou se era pra colocar meu nome entre os contribuidores do blog, ja que nao escrevo nunca. Anyway, deixa eu fazer um breve registro aqui.

Em Melbourne, como em varias cidades de paises civilizados, nao tem roleta ou trocador. Voce entra no onibus, trem ou bonde e valida seu bilhete. Se nao quiser validar estah se arriscando a ser pego pela fiscalizacao e levar uma multa.

Na nossa primeira semana aqui, enquanto esperava o bonde pra ir pra universidade me dei conta de que estava sem moedas e sem tiquete…e dentro do bonde soh da pra comprar o tiquete com moeda. Fiquei uns minutos ponderando…qual eh a chance de aparecer fiscalizacao? Eh soh daqui ate ali…o bonde deve estar vazio nesse horario…e ainda assim, se aparecer, acabei de chegar, ne? Mando uma de que nao sabia, que nao entendo o sistema e deve colar.

Por outro lado, a verdade eh que eu nao sei mentir direito, sei que to errado e falo a lingua bem demais para alegar total ignorancia. Enfim, acabei resolvendo atravessar a rua, comprar um chiclete baratinho e conseguir troco pro bonde. Acho que nessa brincadeira perdi um bonde e tive que esperar mais 15 minutos.

Finalmente, depois de uns bons 20 minutos de espera, entrei no bonde, comprei meu bilhete e validei o dito cujo. Passaram-se uns 2 minutos e… eis que do nada, apareceu uma fiscal (totalmente a paisana) me pedindo para mostrar o tiquete! Mostrei, ela deu um sorriso, nao pediu para mais ninguem(!) e desceu no ponto seguinte.

Sinto que o episodio do aeroporto ocorrido uns dias antes, onde fui brevemente detido para um interrogatorio, suspeito de ser um traficante, nao foi por acaso. Sempre me disseram que eu tenho cara de mau, mas po, aqui tenho cara de traficante pulador de roleta?

PS-Claro, o certo eh o certo. Acho que todo mundo deve pagar pra andar no bonde. Mas na hora que eu vi a fiscal ainda pensei…po, essa indianazinha aih que eh a fiscal? Da mole, eu saio correndo e quero ver ela me pegar!

a casa eh nossa!

Sim, sim, sim!
Hoje assinamos o contrato de aluguel e a partir do dia 26, nossa morada pelos proximos 12 meses estah garantida, isto eh, se nao formos explusos antes devido mau comportamento do nosso zezinho-encrenca, hehehe
Conseguimos o que era nossa primeira opcao. Casinha espacosa, super bem localizada e pra dentro do bloco.
Agora, vamos a parte divertida: torna-la habitavel 🙂
Tudo estah dando certo e em pouco tempo daremos inicio a nossa vidinha melbourniana pra valer 😉

na hora do almoco… e algo mais

Na hora do almoco, temos sempre companhia. Farmer Jed, Pateta, Buba Remus, Zazah, Lilica… isso soh pra enumerar uns poucos. O problema eh que eles atrapalham o andamento, e a cada colherada que o Vinny come, tenho que dar varias pra cada um dos seus amiguinhos e ainda fazer a sonoplastia (yumi yumi yumi), senao nao vale. E ai de mim, se me recusar a dar 5 colheradas seguidas pro Farmer Jed! O escandolo eh certo. Haja paciencia…

Em tempo: Enquanto escrevia este breve post, Vinizinho fofo previdenciou uma fralda cheia. Obviamente, fui obrigada a interromper o post na primeira frase e ir troca-lo, de modo a impedir que o odor se espalhasse e tomasse conta do ambiente. Durante a troca de fralda, meu queridissimo, criou um caso extra porque queria segurar meus cabelos enquanto eu fazia o trabalho sujo, ou melhor, enquanto eu limpava o trabalho sujo. Posso com isso?? Nao bastasse eu ter que me sujeitar a trocar essas fraldas nojenterrimas (eh, nao tem jeito, eu nunca vou me acostumar com isso), o bonitao ainda quer me prender assim, pertinho do lixo radioativo?? To fora! Pode fazer o escandalo que quiser, botar o predio “na chon”, eu heim!

don’t get me wrong


O fofo do Vinny aprontou novamente, desta vez no Victoria’s Market. What a shame!
A gritaria era tao grande que todo mundo que passava olhava pra mim, eh claro, com aquela cara de “poor baby, chorando com lagrimas!”, ou pior, “que tipo de mae eh esta?”.
Pra quem nao tem filhos, ou tem os do tipo comportado e obediente, aqui vai a observacao: aquela velha estorinha da vovoh, de que choro de manha nao tem lagrimas eh mentira da barata!!!! Vinizinho faz pirraca feia, sempre que nao tem seus desejos atendidos e libera litros de lagrimas de crocodilo, que francamente, nao me comovem, entretando, me fazem parecer o monstro da lagoa turva.
E nao me venham com aquele bla-bla-bla de que eh soh chamar a atencao dele pra outro coisa, mudar de assunto, porque, acreditem, NAO EH! O bichinho eh tinhoso mesmo e nos estamos muito preocupados com isso.
Como jah contei (aqui ou no Um em Dois?), eh extremamente facil lidar com nosso pequeno encrenqueiro, se todas as atencoes forem direcionadas a ele. Voce pode passar um dia inteiro sem se aborrecer, desde que esteja disposto a atender cada um de seus caprichos, brincar com ele e segui-lo onde quer que ele deseje ir. Porem, ao primeiro sinal de um “nao”, o bichinho vira uma fera indomavel. E tem piorado 😦
Don’t get me wrong, I love him =)! Ele eh super fofo, engracado, divertido, espertinho e carinhoso. Mas basta um nao, um misero o-oh, pra que ele se transforme na versao monstrinho escandaloso.
Alguem conhece a Super Nanny? Estamos precisando dela. E olha que ele nao estah nem no “terrible two” e jah anda dando ataques como este desde antes de deixarmos Bloomington.
Uma coisa eh certa, ele precisa urgentemente ir pra creche e interagir com outras criancas e aprender a dividir a atencao com elas. Ele precisa aprender que o mundo nao gira em torno das vontades dele.
Juro que nao somos do tipo de pais que mimam e fazem todas as vontades, nao mesmo! Tentamos sempre estabelecer limites, colocamos, sim, de castigo (nos moldes Super Nanny), conversamos com ele, explicamos o que pode e o que nao pode, damos instrucoes simples… mas ainda assim, tem sido bem dificil, ele soh aceita fazer o que tem vontade. Normal?
Ha quem ache que ele eh muito pequeno, que ele nao entende, bla-bla-bla, mas a verdade eh que ele mostrou esse comportamento desde muito cedo, tendo sido por causa do mesmo que ele foi convidado a se retirar da creche aos 9 meses de vida, back in Bloomington. Lah atras, concordo que ele, de fato, nao entendia, era muito novinho. Mas agora, 11 meses depois, uma crianca que, apesar de nao falar direito sabe se comunicar muito bem, nao pode agir dessa forma.
Sinceramente, meu receio eh que ele, novamente, seja expulso de mais uma creche 😦

malditos landlords!!!

Acabamos de receber uma noticia boa e uma ruim.
A boa eh que nossa aplicacao foi aceita pelos proprietarios das duas casas que gostamos.
A mah noticia eh que os proprietarios da nossa opcao predileta querem que a gente comece o contrato right away, no dia 20 agora, o que seria perfeito num mundo em que nos nao tivessemos pago o apartamento em que estamos por um mes (sem direito a reembolso). Ou seja, se aceitarmos este contrato, jogaremos na latrina mais de 600 dolares, coisa que nao podemos aceitar de jeito nenhum!
Claro que a gente tem a outra opcao, outra casinha (tipo vila tambem), que apesar de ter a sala de estar/jantar e cozinha bem menores, tem quartos melhores e lava-louca. Nao tem, porem, garagem coberta (mas quem precisa disso?) e quintal e fica de frente pra uma rua movimentada. No entanto tambem eh uma otima opcao.
O que vamos fazer? Vamos ver se esta segunda opcao aceita que o inicio do contrato seja uma semana mais tarde e caso aceite, arriscaremos insistir com a primeira sobre a possibilidade de adiar o moving date. Claro, que sempre existe a possibilidade de nossa segunda opcao tambem querer que comecemos o contrato right away e aih estamos ferrados! Mas vamos torcer pra que tudo se encaminhe bem, porque eu acredito que o que eh nosso estah guardado 😉

mais descobertas

Felizmente, de um modo geral, australianos sao bem mais calorosos e receptivos do que americanos. Eh por essa e outras que me sinto muito mais em casa aqui do que me sentia nos EUA. E olha que Bloomington era uma cidade de pessoas super nice. Porem “being nice” poderia ser apenas uma forma de ser educado, sem haver a genuina intencao de acolher. Mais uma vez deixo claro: nao estou cuspindo no prato que comi (que expressaozinha horrorosa!), conhecemos varios americanos muito bacanas por lah, mas foram rarissimos os que nos fizeram sentir em casa.
Acho tambem que isso muda com a faixa etaria. Americanos mais jovens, nos seus 20 e poucos, parecem ser bem mais calorosos.